Papo Reto News

LITORAL NORTE RS

Brasília recebe pescadores e pescadoras artesanais de todo o Brasil de 24 a 26 de janeiro

Publicado por Papo Reto News em

Pescadores e pescadoras artesanais de todo o Brasil estarão em Brasília, de 24 a 26 de janeiro, participando de grande encontro onde será apresentada uma proposta de construção coletiva de uma nova lei de pesca. Participam pescadores e pescadoras de todos os estado brasileiros e do Rio Grande do Sul estarão presentes a pescadora de Tramandaí Venina Moraes, o presidente do Forum da Pesca do Litoral Norte, Osvaldo Alves de Siqueira, Viviane Machado Alves de Rio Grande e Dulcinéia Vieira de Pelotas. Em Brasília se reunirão às comissões de todos os estados onde existem pescadores e pescadoras artesanais, comissões estas tirada das oficinas realizadas ao longo de 2022 a nível nacional.

Para isto, foram realizadas oficinas, onde pescadores, pescadoras e representantes discutiram as principais demandas do país, entre elas:

 1- Aprimorar e incluir definições de conceitos como pesca artesanal (e atividades correlatas como Aquicultura de pequena escala para complemento de renda), pesca industrial, atividade pesqueira, territórios pesqueiros, comunidades pesqueiras tradicionais, aprendiz de pesca, jovem pescador, territórios/maretórios;

2- Criar um instituto que responda pela administração da pesca, incluindo atividades fundamentais como a estatística da pesca;

3-Estruturar na Lei da Pesca uma estrutura de conselhos/comitês regionais para discutir a gestão dapesca, que garanta participação da pesca artesanal;

4-Promover o monitoramento e estatística da pesca, com ênfase na garantia do monitoramento da pesca artesanal (metodologias diferentes para pesca artesanal e industrial) e com periodicidade;

5- Aprimorar e garantir o funcionamento dos sistemas de emissão dos RGPs, carteiras de pesca, licenças de pesca e renovação destes documentos, assegurando emissão imediata e que sejam mantidas as datas de primeira emissão

6- Incluir/reconhecer as mulheres na Lei da Pesca;

7- Criar um fundo nacional da pesca;

8- Garantir a área de pesca para pesca artesanal, onde a pesca industrial não possa atuar (áreas de pesca exclusivas);

9-Garantir a consulta prévia às comunidades e o reconhecimento dos saberes/conhecimentos tradicionais no processo de ordenamento participativo da pesca, conforme convenção OIT 169;

10-Aprimorar o conceito/definição/classificação da pescador e pescadora artesanal na Lei da Pesca, abrangendo todas as pessoas envolvidas nas atividades correlatas

11-Incluir todas as atividades que incluem a economia familiar da pesca artesanal (ex. marisqueiras de pirambu) na política do seguro-defeso; 

12-Criar uma forma de garantir acesso a seguro-defeso independente da espécie capturada (espécies capturadas pela pesca artesanal).

Com reativação do Ministério da Pesca e Aquicultura o setor espera mais investimentos e políticas públicas para o desenvolvimento da pesca.

O orçamento do Ministério da Pesca e Aquicultura para 2023 é de R$ 200 milhões. O valor é 950% maior que o montante disponibilizado, em 2022, quando, a estrutura do governo federal dedicada ao setor se resumia a uma secretaria do Mapa. Foi criada inclusive uma secretaria específica para a pesca artesanal que será conduzida pelo professor Cristiano Wellington Noberto Ramalho, doutor em Ciências Sociais pela Unicamp.

Fonte, Texto e Foto: Sandro Sauer/Dapraia News como colaboração de Viviane Machado Alves e Venina Moraes


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *